A Usina Foz do Chapecó

Geração

Com quatro unidades geradoras, a Usina Hidrelétrica Foz do Chapecó tem uma potência instalada de 855 megawatts. Sua capacidade equivale a 25% do consumo de energia do estado de Santa Catarina ou 18% do consumo do Rio Grande do Sul. É energia suficiente para abastecer mais de cinco milhões de lares.

Localização

A Usina Hidrelétrica Foz do Chapecó está instalada no Rio Uruguai, entre os municípios de Águas de Chapecó, em Santa Catarina, e Alpestre, no Rio Grande do Sul. A casa de força, onde as unidades geradoras estão abrigadas, fica totalmente localizada em Alpestre. O eixo da barragem encontra-se nas coordenadas geográficas 27º 08’ 22,75” de latitude sul e 53º 02’ 50,59’’ de longitude oeste.

  • Rio Uruguai
  • Barragem
  • Casa de força

Características

855 MW

Potência instalada

432 MW

Energia média assegurada

4

Unidades geradoras

Turbinas

Francis

213,75 MW

Potência geradores

Barragem

A barragem da Usina Foz do Chapecó tem 598 metros de extensão e 48 metros de altura e foi a primeira do Brasil a utilizar a técnico do núcleo asfáltico, comum em países da Europa e nos Estados Unidos. O asfalto propicia velocidade às obras mesmo em períodos chuvosos, já que é menos vulnerável à umidade. Também é reconhecido pelo excelente desempenho como impermeabilizante, garantindo total segurança no bloqueio da água.

Usina Hidrelétrica

Vertedouro

O vertedouro da Usina Foz do Chapecó é formado por quinze comportas que escoam a água do reservatório não utilizada para geração de energia. Sua capacidade máxima de descarga se aproxima da capacidade de vazão da maior usina hidrelétrica em operação no Brasil: a Usina de Itaipu (somente 100 m3/s menor que Itaipu).

Usina Hidrelétrica
  • 15 Comportas

    de 18,70 x 20,60 m

  • 62.190 m3/s

    vazão máxima

  • 4 Comportas

    para tomada d'água

  • 2 túneis

    na margem esquerda com 18,00 x 18,15 m

  • 357 m

    o comprimento de cada túnel

Usina Hidrelétrica

Geração de energia

Entenda como ocorre o processo de geração de energia:

  • 1

    A água do reservatório da usina é conduzida pela tomada d’água até a casa de força, onde estão as turbinas.

  • 2

    A rotação das turbinas transforma a energia do movimento da água em energia mecânica.

  • 3

    A mesma rotação é transmitida para equipamentos chamados geradores, que transformam a energia mecânica em energia elétrica.

  • 4

    A água que passou pelas turbinas é devolvida ao leito do rio através de uma estrutura chamada “canal de fuga”.

  • 5

    A energia produzida nos geradores é transmitida para a subestação da usina.

  • 6

    A mesma energia chega aos consumidores através das linhas de transmissão do Sistema Interligado Nacional.

  • 7

    Empresas, indústrias e milhares de casas são abastecidas com energia limpa.

Reservatório

Nível máximo normal

265 M do nível do mar

Nível mínimo operacional

264 M do nível do mar

Municípios que formam o Reservatório

Doze municípios em Santa Catarina e no Rio Grande do Sul tiveram áreas utilizadas na formação do reservatório da Usina e das Áreas de Preservação Permanente. São eles:

  • Águas de Chapecó

  • Caxambu do Sul

  • Guatambu

  • Chapecó

  • Paial

  • Itá

  • Alpestre

  • Rio dos Índios

  • Nonoai

  • Faxinalzinho

  • Erval Grande

  • Itatiba do Sul

Outros dois municípios catarinenses – São Carlos e Palmitos, juntamente com o município gaúcho de Alpestre, são afetados pelo trecho de vazão reduzida: 19 quilômetros onde o Rio Uruguai sofreu uma redução em seu nível de água em decorrência do barramento da Usina.

Dados Hidrológicos

Dados sobre os níveis do reservatório e as vazões de água envolvidas na operação da Usina, que permitem acompanhar o comportamento do rio Uruguai e as ocorrências climáticas que influenciam suas condições e de seus afluentes. Entenda o significado de cada vazão através do Diagrama. Veja aqui o gráfico

Última medição

  • Data/Hora

    19/10 02:00

  • Nível Montante (m)

    264.27

  • Vazão Afluente (m³/s)

    1488

  • Vazão Turbinada (m³/s)

    1412

  • Vazão Vertida (m³/s)

    075

  • Vazão Rio Chapecó (m³/s)

    -

  • 19/10 01:00

    264.27

    1737

    1454

    075

    270.2

  • 18/10 23:59

    264.26

    1816

    1740

    075

    274.3

  • 18/10 23:00

    264.26

    2010

    1935

    075

    282.5

  • 18/10 22:00

    264.26

    1806

    1939

    075

    290.7

  • 18/10 21:00

    264.27

    1806

    1939

    075

    298.9

  • 18/10 20:00

    264.28

    1809

    1939

    075

    307.4

  • 18/10 19:00

    264.29

    1803

    1936

    075

    316.2

  • 18/10 18:00

    264.30

    2012

    1936

    075

    320.6

  • 18/10 17:00

    264.30

    2014

    1939

    075

    325.0

  • 18/10 16:00

    264.30

    2014

    1939

    075

    325.0

  • 18/10 15:00

    264.30

    2014

    1939

    075

    329.4

  • 18/10 14:00

    264.30

    2014

    1939

    075

    329.4

  • 18/10 13:00

    264.30

    2013

    1938

    075

    325.0

  • 18/10 12:00

    264.30

    1596

    1938

    075

    320.6

  • 18/10 11:00

    264.32

    1180

    1938

    075

    311.8

  • 18/10 10:00

    264.36

    971

    1938

    075

    303.0

  • 18/10 09:00

    264.41

    970

    1936

    075

    298.9

  • 18/10 08:00

    264.46

    970

    1936

    076

    294.8

  • 18/10 07:00

    264.51

    817

    1575

    076

    290.7

  • 18/10 06:00

    264.55

    714

    1263

    076

    286.6

  • 18/10 05:00

    264.58

    699

    1040

    076

    286.6

  • 18/10 04:00

    264.60

    1116

    1040

    076

    282.5

  • 18/10 03:00

    264.60

    1735

    1035

    076

    286.6

  • 18/10 02:00

    264.57

    1735

    1035

    076

    290.7

  • 18/10 01:00

    264.54

    1735

    1035

    076

    294.8

  • 17/10 23:59

    264.51

    1629

    1136

    076

    298.9

  • 17/10 23:00

    264.49

    1818

    1743

    076

    303.0

  • 17/10 22:00

    264.49

    2012

    1936

    076

    303.0

  • 17/10 21:00

    264.49

    2012

    1936

    076

    307.4

  • 17/10 20:00

    264.49

    1805

    1938

    076

    311.8

  • 17/10 19:00

    264.50

    2012

    1936

    076

    316.2

  • 17/10 18:00

    264.50

    2013

    1938

    076

    320.6

  • 17/10 17:00

    264.50

    1805

    1938

    076

    320.6

  • 17/10 16:00

    264.51

    2015

    1939

    076

    320.6

  • 17/10 15:00

    264.51

    2015

    1939

    076

    325.0

  • 17/10 14:00

    264.51

    2016

    1940

    076

    325.0

  • 17/10 13:00

    264.51

    1806

    1939

    076

    325.0

  • 17/10 12:00

    264.52

    1183

    1940

    076

    325.0

  • 17/10 11:00

    264.56

    555

    1938

    076

    329.4

  • 17/10 10:00

    264.63

    367

    1750

    076

    -

  • 17/10 09:00

    264.70

    380

    721

    076

    -

  • 17/10 08:00

    264.72

    335

    676

    076

    -

  • 17/10 07:00

    264.74

    413

    337

    076

    -

  • 17/10 06:00

    264.74

    205

    337

    076

    -

  • 17/10 05:00

    264.75

    205

    337

    076

    -

  • 17/10 04:00

    264.76

    1038

    337

    076

    -

Clique para ver mais

Deslize a tabela para ver os todos os dados.

Dados apresentados obtidos a cada 1 hora - Os dados acima estão sujeitos a revisão

Sistema de Alerta do Vertedouro

O Sistema de Alerta do Vertedouro é um sistema que avisa quando a Usina vai abrir suas comportas para escoar água. O aviso é direcionado às pessoas que estão no “trecho de vazão reduzida”, um trecho de 19 km do rio Uruguai que teve seu nível de água diminuído em decorrência da construção da hidrelétrica. Ele abrange os municípios de Águas de Chapecó, São Carlos e Palmitos, em Santa Catarina, e Alpestre, no Rio Grande do Sul.

O Sistema de Alerta opera com sirenes e estações luminosas (giroflex).

Como funciona?

90 minutos antes das comportas serem abertas o Sistema é acionado. Sendo assim, as pessoas que estão no rio são avisadas com uma hora e meia de antecedência sobre a liberação de água. Os giroflex acendem e permanecem acesos até que o rio naquele trecho retorne à sua vazão mínima, que é de 75 m3/s. Já as sirenes operam de forma intervalada.

1º Alerta

Após o Sistema ser acionado, ocorrem 03 toques de sirene com duração de 15 segundos cada e intervalos também de 15 segundos entre eles.

  • Start

  • Toque 15 Seg.

  • Intervalo 15 Seg.

  • Toque 15 Seg.

  • Intervalo 15 Seg.

  • Toque 15 Seg.

2º Alerta

45 minutos depois, ocorrerão 02 toques de 15 segundos cada, com um intervalo de 15 segundos entre eles.

  • +45 Min

  • Toque 15 Seg.

  • Intervalo 15 Seg.

  • Toque 15 Seg.

3º Alerta

90 minutos depois, ocorrerão 02 toques com duração de 30 segundos cada. Estes toques serão divididos por um intervalo de 30 minutos.

  • +90 Min

  • Toque 30 Seg.

  • Intervalo 30 Min.

  • Toque 30 Seg.

É importante esclarecer que o Sistema de Alerta é acionado somente na primeira abertura das comportas. Ou seja, até que o rio no trecho de vazão reduzida não volte à vazão de 75 m3/s, não haverá novos toques de sirene.

Que atitude a pessoa deve tomar ao ouvir os alertas?

Ao verificar que o Sistema de Alerta foi acionado, a pessoa deve sair do rio ou de suas margens e se dirigir para zonas seguras que não serão atingidas pelos fluxos de água. Como dito anteriormente, o sistema é acionado uma hora e meia antes da abertura das comportas. Sendo assim, há tempo suficiente para que a pessoa recolha seus pertences com calma e vá para pontos seguros.

Visite a Usina

A Foz do Chapecó Energia mantém um programa de visitação gratuita à Usina. As visitas são realizadas preferencialmente às quartas-feiras, no período da manhã, com grupos de até 25 pessoas (não há um mínimo exigido). Por questões de segurança, os visitantes devem ser maiores de 16 anos.

Visite a Usina

Glossário

Alguns termos são comuns a todas as usinas hidrelétricas e são bastante utilizados em textos e materiais que tratam desse tipo de empreendimento: